sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

A complexidade do stress presidencial

O presidente Lula tomou ao pé da letra o prêmio Estadista Global, que lhe foi concedido pelo Fórum Econômico Mundial. No discurso de agradecimento, deu lições para o mundo e mostrou o Brasil, sob sua liderança, como exemplo de sucesso. Disse que, de 2003 para cá, 'o Brasil, mesmo com todas as dificuldades, fez a sua parte'. E questionou: 'Podemos dizer que o mundo também melhorou?'
SARDENBERG, Carlos Alberto, Lula e o mundo
05/02/2010
O stress surgido no dia do embarque frustrou sua presença. Precisaria mesmo muita coragem para lecionar àquele bando de ignorantes. Eles cairiam no riso. Felizmente a emergência lhe determinou remédios e repouso. A medicalização da loucura, admite MICHEL FOUCAULT, é uma contrapartida que a ciência oferece para tentar enquadrar os que escapam à normatização do indivíduo centrado na razão, autovigilante, senhor de suas representações e responsável pelas manifestações públicas daquilo que se convencionou chamar sua personalidade.
Um mensageiro se encarregou do discurso..
Moisés Naim, editor da revista Foreign Policy,
incluiu Lula entre os maiores hipócritas de 2009,
em artigo publicado no jornal espanhol El País.
KUNTZ, Rolf, Entre o G-20 e a forca 6/2/2010
O engraçado é que bastou o dia passar, e o presidente se mostrou não só aliviado, como também alegre, bem-disposto, e ainda mais impetuoso. Se o stress foi simulado para inglês ver, fatalmente também veremos.
"A verdade é como o azeite e portanto, mais cedo ou mais tarde, vem sempre ao de cima!" (COSTA, Frederico, POLARIS SPORTS. http://autosport.aeiou.pt - 4/2/2010)
Caso apenas dissimulado, e seu ímpeto parece demonstrar, o distúrbio permanece arriscando as coronárias.
Os coletivistas tem o empenho de progresso, a simpatia pelos pobres, o ardente sentido do injusto, o impulso para os grandes feitos... Mas sua ciência se baseia num profundo mal-entendido; e suas ações, portanto, são intensamente destrutivas e reacionárias. Assim, os corações dos homens são destroçados, suas mentes divididas e são apresentadas alternativas impossíveis.
LIPPMANN, Walter, cit. POPPER, K., Sociedade Democrática e Seus Inimigos: 88
Fulgura a moléstia:
"O presidente Lula pediu soluções em aço para habitações populares". (BRANCO, Marco Antonio Castello, presidente da Usiminas, em Invertia, 4/2/2010)

Para desvendar os fenômenos nervosos que desencadeiam esses estapafúrdios, megalomanias e estresses, o acadêmico vem equipado com arsenal de conceitos, métodos, experiências, soluções implementadas, a compor uma doutrina assemelhada à inconstância do paciente:
A história da psicologia, depois de Descartes, poderia ser escrita como seguindo um movimento dialético entre a ciência da psiquê e uma ciência naturalista do homem que recusara tanto o dualismo metafísico quanto o metodológico.
FRAISSÉ cit. PENNA, A. G.: 32
A tarefa é árdua. Distúrbios mentais, invisíveis frutos de crenças, emoções, mitos e fantasias, equivalem-se à famosa Hydra. Cortada uma cabeça, logo vem outra, e mais outra, de modo que exige armas e calibres diferenciados, e ainda assim, permanece latente. O stress não se combate. Assimila-se. Não há remédio que cure uma percepção fragmentada. É a consciência desta fragmentação, a identificação do ponto e/ou do momento da ruptura que poderá reintegrá-la. Foi em busca deste fulcro que FREUD regrediu. Assim como NEWTON, DARWIN, e mesmo MARX, o pai da psicanálise encontrou lá suas empíricas coincidências, e nesta função estendeu seu manto a incontáveis peregrinos.
Os animais, incluindo os seres humanos, têm seu comportamento movido pelos inseparáveis instintos do sexo e da agressão. Nos humanos, estes instintos controlam as forças escuras e hidráulicas do id, e são a causa subjacente, inconsciente de tudo o que fazemos.
SIGMUND FREUD
A consciência, a inconsciência, ou o subconsciente, como prefere, é incomensurável. Ainda que se busque algum denominador comum, o certo é que não há um padrão uniforme, uma fórmula extensiva. Qualquer postulação mais exclusiva é temerária, por falseável.
Hoje, quando leio psicanalistas freudianos norte-americanos ou ingleses fico impressionada com os clichês que estão presentes. É um símbolo muito grave de encerramento sectário. Sim, os psicanalistas estão em todo lugar, mas sob que formas! É ridículo!
ROUDINSCO,
Elisabeth, Psicanalista, historiadora, docente e escritor.
Diferentemente dos órgãos, a mente não apresenta forma, nem conteúdo. Portanto, é imprópria à medições. Acho graça daquelas que calculam o QI. A própria inteligência varia na mesma pessoa, de acordo com incontáveis predisposições, de modo que qualquer número apurado é improvável. Mais bizarro ainda foi a exumação do crânio de EINSTEIN, na esperança de encontrar algum elemento responsável por sua genialidade. Tal privilégio, ele nunca escondeu, deveu-se à conjugação de sua intensa curiosidade com uma imaginação por demais emulada. De que modo estas peculiaridades podem ser retratadas?
O presidente é um dos 17 milhões de brasileiros portadores dessa
doença, que não tem cura, mas pode ser controlada.

Jornal
O Sul, 29/10/2010
.
Cientes da incapacidade, os profissionais se limitam a receitar alguma droga que equilibre as emoções, independentemente da altura na qual sobrepõe tal andaime. A dificuldade logo se avoluma, mercê da dinamicidade de todos os elementos envolvidos, de modo que a dosagem tem que ser permanentemente acompanhada, tornando o que era via-sacra numa procissão sem fim. Os profissionais são dedicados, esmeram-se; todavia, tanto quanto oncologistas, dificilmente logram pleno resultado. O vulcão permanece em potencial, aguardando o momento de retorno.
O superego é um juiz malévolo, como seu inconsciente é um carcereiro obtuso: velando sempre tão zelosamente sobre seu segredo, ele acaba por designar o local onde se esconde. Sob o pretexto de liberar os complexos, as pessoas se enredam cada vez mais nos assuntos sociais, familiares.
BACHELARD, GASTON, cit. QUILLET, PIERRE: 61
Por que stress, esquizofrenia, megalomania, toques e bodoques, transtornos bipolares, e tudo o mais não alcançam solução definitiva, como tantas doenças que superamos?
A psicanálise é uma metafísica psicológica interessante, mas jamais foi uma ciência. O que impede suas teorias de serem científicas é que não excluem qualquer comportamento físico possível. Mas qual era seu método de argumentar? Freud dava exemplos: analisava-os e mostrava que se encaixavam em sua teoria, ou que sua teoria podia ser descrita como sendo uma generalização dos casos analisados.
KARL POPPER
O próprio FREUD (cit. ALVES, Rubem, Filosofia da Ciência: 110) confidenciou a EINSTEIN:
“Não será verdade que cada ciência, no fim, se reduz a um certo tipo de mitologia?”
* * *
A complexidade temática exige longo tratamento, conquanto admite variações metodológicas. Novas escolas psicanalistas vem se esmerando em escapulir do sectário e maniqueísta trilho freudiano, mas conservam a faina de tentar extrair o trauma, ao invés de cooptá-lo. O ser humano deve ser feliz apesar dele, não contra ele.
“Não existe um 'bom' desejo e seu contrário. O desejo está em toda a parte, inscrito nas atividades livres ou opressivas.” (DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix, cits. DESCAMPS, Christian: 20 )
Contraria sunt complementa; mporém, se dispostos em subterfúgios, ou de modo articifial, dificilmente haverá reconciliação. Não há rosa sem espinho, nem aprendizado sem sacrifício. Nao há quem não sofra, nem passe pela vida sem uma enorme carga de frustrações. Combatê-las uma a uma é da mesma insanidade.
“Juntem o que é completo e o que é incompleto, o que concorda e o que discorda, o que está em harmonia e o que está em desacordo” (HERÁCLITO, cit. JAPIASSÚ: 131)
Os médicos precisam ficar em dia com a própria saúde. Pesquisa do Conselho Federal de Medicina (CFM), realizada com 7.700 profissionais, revela que quase metade deles apresenta quadro preocupante de transtornos psicológicos. Quarenta e quatro por cento sofrem de depressão ou ansiedade. E a grande maioria, 57%, tem estafa e desânimo com o emprego.
Estadão, 21/6/2008
“Acho que o estudo poderia diminuir um pouco o entusiasmo de medicações antidepressivas, e isso que pode ser uma coisa boa”, disse ao The New York Times Dr. Erick H. Turner, psiquiatra da Oregon Health and Science University. (BELFORT, Claudia, http://blogs.estadao.com.br/sinapses, 7/1/2010)
Como a doutrina é colocada em suspeição no abatimento dos próprios executores, talvez convenha qualquer cabo estendido, ainda que por leigo. A questão não é biológica, mas cultural. É filosófica, não medicinal. Epistemológica, não tecnológica.
O caso mais típico que nenhum analista ou remédio cura, muito menos se faz recomendável alguma forma de cooptação, é a falta de consciência, a mesma que arrebatou o carrasco nazista, e milhares de insanos, mentecaptos, os chamados psicopatas, mas antes de tudo, mal-intencionados. Entre esses, ladrões, vigaristas e corruptos. Nada melhor para produzir um stress. Merecem. Há quem diga que bandido bom é bandido morto. Se a tempo, o próprio stress pode se constituir no melhor remédio, um limite natural para o fora-da-lei, ao gáudio da sociedade. A insistência no desrespeito poderá lhe ser fatal.
Quando os ricos especuladores têm sucesso,
enquanto os camponeses perdem suas terras;
Quando o governo gasta dinheiro em armas;
Quando os de cima são extravagantes e irresponsáveis,
enquanto os pobres ficam sempre mais pobres -
Tudo isso é roubo e caos.
Isso não está de acordo com o
Tao.
TAO TE KING: 23
É o que veremos.
____________
.

Um comentário: