quarta-feira, 27 de abril de 2011

UK reacende farol do Iluminismo - Prólogo

A grande epopéia das Luzes incluía no mesmo movimento o justo e o belo. Organizava um afresco tranquilizador da natureza e da sociedade. Os romances de aprendizagem diziam como se conduzir e se comportar. Ora, as indicações foram se desagregando nas sociedades industriais contemporâneas. Como poderiam ter consciência? Descamps, C., As Idéias Filosóficas Contemporâneas na França: 27 
O Liberalismo pode encontrar algumas de suas raízes no humanismo que se iniciou com a contestação da autoridade das igrejas oficiais durante a Renascença, e com a facção Whigs da Revolução Gloriosa na Grã-Bretanha, cuja defesa do direito de escolherem o seu próprio rei pode ser vista como percussora das reivindicações de soberania popular. Wikipédia  
Talvez por causa da densa neblina o potente farol não pode ser bem apreciado no continente. Houve uma tentativa com espelhos, através do Barão de La Brède et Montesquieu, porém imediatamente quebrado por coice da própria Vaca Leiteira, como alcunhava Hitler. Por isso resignava-se Voltaire (cit. Stewart, D., in Smith, Adam, Teoria dos Sentimentos Morais: XLVI.), em carta ao escocês endereçada:
Meu caro Sr. Smith, tem paciência; tranquiliza-te; mostra-te na prática tão filósofo como és na profissão; pensa na vacuidade, aridez e futilidade dos juízos comuns dos homens: como são poucos governados pela razão, notadamente nas questões filosóficas, que tanto excedem a compreensão do vulgo.
O repórter francês adivinhava o futuro. “A mensagem de Adam Smith, em particular, foi grotescamente distorcida durante os últimos duzentos anos.” (Ormerod: 223) Então passados os séculos, e muitas guerras do continente procedentes, o Reino Unido arrumou uns irreverentes batedores para se imiscuírem pelas linhas estrangeiras, no fito de tentar acordar os sonâmbulos, ainda enfeitiçados pela mera (a)tocha olímpica. The Beatles foram agraciados com a Ordem da Coroa, e aclamados mais conhecidos do que Jesus. Qual a razão de tamanho galardão? Pela harmonia das ondas tão magistralmente produzidas ainda podem viajar expressas informações de fé, de esperança, caridade, emoções, solidariedade, mesmo dramaticidades, até de alertas, ou conselhos, mas todas compatíveis com o ser.
Ondas contaminam. Ninguém fica sentado numa Ola.
A tentativa quase repetu a Revolução Gloriosa, mas desta feita  em caráter internaconal.
Nesse contexto, o mês de maio de 1968 aparecera como um acontecimento que ninguém previra. Generalizado, o discurso político perdeu então seu privilégio. A proclamação do que era científico ficou abalada; as ciências políticas não souberam antecipar esta explosão internacional. Descamps, C.: 15
Mesmo que fizessem esforços desesperados para falar de 'seu tempo', agitando os grandes significantes novos (comunicação, interação, inteligência artificial), mesmo que se esmerassem em manipular, em seus discursos, toda uma quinquilharia de objetos considerados concretos, posto que retirado do vivido mais banal (walkman, minitels, pílulas e robôs domésticos), os filósofos fugiam das questões mais decisivas. Porque as consideravam resolvidas. Contre la peus, Hachette, 1990: 112; cit. Japiassú, H. Um desafio à Filosofia: pensar-se nos dias de hoje: 17
A década famosa apresentava um desapercebido Neoiluminismo: "O explosivo ano de 1968 começou luminoso" (F. Tavares, ZH, 4/12/2007: 21)
A convergência em que se achavam os que estavam adiantados e os que estavam atrasados, os que haviam aberto o caminho e os que haviam tentado em vão segui-lo, teve lugar nos anos 60, quando os homens do Iluminismo pareceram trabalhar em uníssono." Apesar disso, a cronologia da circulação de tais ideais iluministas permitiu aos franceses testemunharem insurreições e revoltas antes nas margens mais extremas desse espaço iluminista, e só aos poucos "o círculo da revolução foi se apertando em torno da França.
ZERON, Carlos Alberto, O espaço das Luzes, Folha de São Paulo, 14/6/2003
Como nos instantes que precederam 1688,  houve o respaldo da ciência:
O ano de 1960 foi um marco para os estudos sobre Locke. Em um só ano, além da edição crítica de Laslett, já lembrada, foram publicadas três monografias importantes* que representam muito bem o interesse renovado pelo filósofo do liberalismo e do cristianismo racional. Todas as três enfatizam Locke moralista e político, mais do que o teórico do conhecimento, sobre o qual se havia detido especialmente os trabalhos e a crítica precedente.
Bobbio, Norberto, Locke e o Direito Natural: 78
“Nos últimos anos foram lançados uns quatrocentos livros sobre Einstein e seu trabalho.”(Jammer, Max, Einstein e a Religião: física e teologia: 9)  O efeito foi deveras atômico:
O que começou a aparecer em 1960 foi na verdade o surgimento da corrente de pensamento anarquista acompanhada de movimentos ativistas que surgiram entre os jovens de vários países da Europa e da América. Muitas vezes o nome não era o mesmo; muitas vezes a doutrina acabava diluída por outras correntes de pensamento radical; raramente houve a tentativa de reestabelecer a continuidade com algum movimento do passado. No entanto, a idéia ressurgiu, clara e facilmente reconhecível, em países tão diferentes quanto a Inglaterra e Holanda, a França e os Estados Unidos. Ela conseguiu atrair seguidores numa escala nunca vista desde os dias que antecederam a I Guerra Mundial. Por toda a Inglaterra começaram a nascer grupos dedicados à prática de ação direta e à exploração de uma sociedade sem guerra nem violência e, portanto, sem coerção.
Woodcock, G., Os grandes escritos anarquistas: 48.
Os guardiões da língua inglesa brigavam devido a questão da legitimidade do inglês negro. Os criminologistas brigavam devido a definição de crime. Os psicólogos discordavam das definições de personalidade. Os psiquiatras foram obrigados a rever a definição de homossexualidade como doença. Os sociólogos começaram a lidar não com problemas de pobreza, mas com a riqueza. Historiadores radicais resituaram as categorias supostamente atemporais de sexualidade, maternidade e inteligência como entidades subordinadas à historia e mutáveis, sujeitas a direcionamentos e influências humanas. Na ciência os ativistas desafiaram as instituições em questões relativas à raça e Q.I., a sociobiologia, preconceito sexual na ciência, o ensino da ciência, o controle da ciência pelas corporações e o envolvimento americano na guerra do Vietnã. A manifestação mais profunda dessa corrente pré-revolucionária nas sociedades ocidentais foi o Maio de 68, na França. Estudantes enfrentando polícia. Uma semana depois, violenta repressão aos estudantes e greve geral dos sindicatos em 13 de maio. Em Saclay, um contingente de 2.000 trabalhadores organizou-se para participar da gigantesca manifestação de 800.000 pessoas. As faculdades estavam ocupadas. As fábricas pararam. Os trabalhadores ocupavam-nas. Cerca de 9 milhões aderiram às greves. Todos estavam confusos com o estonteante rumo dos acontecimentos.
Schwartz, Joseph, O momento criativo - mito e alienação na ciência moderna:  310
Devo acrescentar que estávamos em meados de 68, ano dos protestos juvenis, que foram particularmente mais inflamados na Itália. A Universidade italiana (embora não apenas a italiana) mostrara-se politizada - e mal politizada - sobretudo nas Faculdades de Ciências Humanas. Bobbio, N., A teoria das formas de Governo. -  Prefácio à edição brasileira.
O ano de 1968 talvez haja constituído um divisor de águas: desde então assistimos ao progressivo refluxo da maré, o qual se acentuou em 1989/91. O século XXI poderá conhecer, após calamidades imprevisíveis - guerras, novas revoluções e catástrofes ecológicas - o princípio da reconstrução da ordem internacional, uma reorganização em escala mundial do Estado de Direito Liberal.
Penna, J. O. de Meira, O Espírito das Revoluções: 46
Quase, sr. Embaixador.  O  muro se veio abaixo, a religião enfraqueceu, o nazismo já tinha sido banido,  a Europa se uniu numa espécie de confederação, a China surpreende o mundo, a trilha sonora Across the Universe viaja dirigida à estrela polar (Polaris), a mais brilhante da constelação da Ursa Menor, situada a 431 anos-luz da Terra. (Ano-luz corresponde a 9.460 mil milhões de quilômetros.),  até mesmo  Oriente Médio ensaia se libertar, mas com tamanha catarse a civilização demonstra se ver desorientada,  até perplexa. O Ocidente periclita,. Balança de cabo a rabo, exceto no ponto do farol. E lá vem ele, de novo, ligado a pleno. Enquanto o Brasil tudo projeta ´"para inglês ver", o ingles projeta tudo para todo o mundo ver. E o mundo recomeça a ver a pujança do conhecimento, da tradição, da certeza, e da harmonia  social reinante num país que, curiosamente, o que menos aprecia é a idéia da igualdade e do direito como sua máxima expressão. Pois este país mais aristocrático do mundo foi o que menos  apresentou anomalias sociais; e suas desavenças jamais foram resolvidas à bala, como se sucedem com todos os demais. E não me venha falar das Malvinas. Fosse o Rei  teria mandado capturar a Argentina inteira, porque ladrão que rouba ladrão tem cem anos de pérdão.
Os anos sessenta, na verdade, foram construídos por nossa geração,  que vimos nossos pais dilacerados pelas bestialidades daléticas. Em 1951, foi dado o start., Nem sabia disso - afinal tinha apenas alguns meses de idade.
A  Nav's ALL novamente  antecipou o futuro para você,  desta feita com tres meses de vantagem sobre a concorrência:  "É como em 1968", diz diretor de Conselho Europeu
A.C. (Antônio Cicero ensina o que é ser moderno; O Estado de São Paulo, 18/8/1995: D4) permanece inquieto pelo novo tempo, na verdade um retorno à mais sensata cabeceira,
O que nos falta é radicalizar a ideologia iluminista, que os Estados Unidos deixaram para trás. A concepção moderna de mundo não admite que haja um universal positivo. É por isso que a concepção moderna de mundo é não-religiosa. Hoje temos cada vez mais medo da diversidade. O Estado brasileiro nos dá freqüentes provas disso. Montesquieu já dizia que as leis ruins prejudicam as boas. Mas no Brasil de hoje, tudo tem de ser regulamentado. Isso é um perigo. Temos de ter um mínimo de lei absoluta para ter um máximo de experimentação. Mas o que se dá no Brasil é o contrário, temos o máximo de lei e um espaço cada vez menor para experimentar.
Não só por atrair a atenção do mundo com a magnífica cerimônia real, por patrocinar as próximas olimpíadas, mas principalmente por outros dois fatores, entre eles o revigoramento da  Royal Society , que  completa seus trezentos e cincoenta aninhos,  UK parece estar usando de todas as suas forças para demonstrar ao mundo que o mundo pode ser muito melhor para todos,  desde que se arrefeça a  ficção greco-romana. Amanhã complemento  o insight, despontando também a repetição da solenidade de 1951, em aprazível recanto londrino. Londres mergulha em festa!. Britânicos acampam na rua para ver casamento Come back, please. Antes, porém, um óbice,  detalhe paradoxal - o papel nada condizente do governo britânico no  caso Assange Wikileaks faz parte da catarse,  clareza que o farol propicia.  A pedido da Suécia por solicitação escusa da filha modernizada ao arrepio de A. Cícero. o UK parece querer trair seu  próprio súdito, e até o mundo inteiro, e não o contrário. Isso sim, espera uma melhor resolução.
__________

Nenhum comentário:

Postar um comentário